quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Skinheads contra Homofobia.



sobre certo símbolo em jaquetas, 3 X junto as folhas de Laurel, significa QueerSkinhead.

Texto retirado do SkinZine SHARP - Santa Catarina.

Por várias vezes, nos deparamos nos meios de comunicaçãocom as seguintes manchetes: ‘’Grupo neo-nazista, conhecido como skinheads, agride homossexuais’’, e outras declarações do gênero.
A seguinte questão que aqui tratamos - Skinhead - nada tem haver com a sexualidade dos seres humanos. Tanto que para o skinhead, o que se preza, é recordar de sua origem operária, o som da ilha Jamaica, a causa anti-racista e atualmente anti-fascista.
Dentro destas questões, notamos que o Skinhead é sempre taxado como um movimento homófobico e racista.
Neste texto, abordamos a questão que Skinhead não é nenhum tipo de movimento conservador.
Existem grupos de Skinheads homossexuais. A formação desses grupos não é algo atual, desde a explosão do movimento cultural Skinhead, já existiam Skinheads homossexuais.
Somos a favor da liberdade de cada ser, que cada um faz o que quiser, sendo que respeitem a si mesmo e aos outros também.
Não temos nenhum preconceito contra homossexuais, até porque a cultura Skinhead, não tem como uma de suas características a opção sexual.
Esses grupos, tem variações em seus nomes, o mais famoso é o Fenix(Phoenix), Queer ou Gay Skins. São grupos geralmente apolíticos. Outros grupos de Skins são adeptos a anti-homofobia, como SHARP´s (alguns) e a RASH.
Como exemplo, temos belas bandas de Oi! que abordam este tema. Oi Polloi deu um bico na homofobia com ‘’When two men kiss’’, uma das letras mais clássicas, abordando e enfiando no CU o preconceito contra homossexuais.
Atualmente, outra banda que abordou o termo sobre Skinheads Gays, foi a grandiosa Los Fastidios, com ‘’ Johnny and the Queerbootboys’’, onde fala para os QueerSkinheads se unirem e mostrar que sendo gay ou hetéro, foda-se, você é humano.
Na Rússia, surge RazorBoys, lançando em 2007 sua demo, e numa das suas canções colocou pra foder de vez: ‘’Kick out Homofoby our scene’’.
Esses são alguns exemplos de bandas que abordam o tema, e deixam claro, que nós, Skinheads, nada temos de movimento homófobico.
Em relação a grupos, que usufruem do nome e movimento Skinhead, e deturpam nossa imagem, como grupos de segregação racial, conhecidos como White Powers ou nazistas, movimentos (Se é que pode se chamar esta porcaria assim!) conservadores como Carecas do ABC, Subúrbio e Brasil, onde pregam a intolerância perante o termo homossexualidade, aqui fica claro que nós Skinheads abominamos estes grupos fascitóides.

Nem White Powers, Nem Carecas, Apenas SKINHEAD!

11 comentários:

Johnny disse...

Caralho mano, que texto foda!!!!
Parabéns!
;)

Sadopunk disse...

Posso não ser skinhead, sou queerpunk, mas gostei da atitude de vcs. COntinuem assim, se quiserem contato estarei aqui, no meu orkut to com essa referência de Queerskin. Falows libertários!

Arthur Nunes. disse...

parabéns!
bom post.

Murilo Voicante disse...

Ótimo post, esclarecedor. Parabéns pelo blog.

Leandro Dek disse...

Belo texto! Porém, infelizmente, a maioria dos grupos que se denominam e usam o visual skin, são homofóbicos. Ao menos, é a regra entre os que eu já vi, conheci e conversei em São Paulo. Até os Rude Boys jamaicanos, já tinham uma violenta homofobia na sua origem. É claro, a sociedade evolui, e espero que a tolerância predomine cada vez mais, entre skins, punks e qualquer ser humano.

Leandro Dek disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Leandro Dek disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João Athaide disse...

Liberdade Expressional já!

jhonas wolf cadymus disse...

belo texto gostei

V2Schneider disse...

Queer skin.
Muito bom

V2Schneider disse...

Existe algum grupo queer skin aqui em sao paulo? Ou algum Sharp gay que eu possa trocar figuras? Conhecimento? Pq eu sou e não conheço nenhum aqui no Brasil. Somente na Alemanha